?

Log in

Anne_chan
24 July 2016 @ 08:43 pm
Parece que sempre volto aqui quando preciso desabafar. Ao ponto de até mesmo achar rascunhos de outros momentos tristes que não consegui por para fora.

Foram alguns, nesse meio tempo desde o último post. E mesmo assim, acho que sentia até vergonha de mim. Vergonha de por em palavras meus sentimentos.

E é duro ver que, das minhas corriqueiras reclamações, nada parece ter mudado. Pior, parece que tudo que já me doia, só intensifica mais. Parece uma bola de neve de onde não consigo sair.

A dor, a falta de motivação, a falta de sorte, a falta de talento. Tudo apenas ganha mais e mais forma a cada dia. Até chegar ao ponto que estou hoje.

Eu simplesmente penso, e se eu morresse amanhã? Quem sentiria minha falta? Que diferença faria? E dói ver que, de verdade, eu seria esquecida facilmente. Que não sou, de verdade, importante para ninguém.

Sinto que fui deixando de fazer tudo que me dava alegria. Que fui deixando de lado tudo o que eu amava. Que mais e mais não sou boa em coisa alguma.

Já não sei se eu desejo morrer, ou se simplesmente parece que minha vida não importa mais. Só sinto vontade de sumir, para parar de me sentir vazia. Sinto que perdi tudo que era importante pra mim.

E o pior que a culpa é minha. Eu escolhi e escolhi errado. Achei que ia valer a pena e não valeu. Achei que tinha tomado uma decisão certa e não tomei.


Não quero mais me sentir assim. Não aguento mais ser só mais uma. Ficar em segundo lugar, quando muito. Queria ter um pouco de sorte, uma única vez. Queria sentir que as coisas vão dar certo.

Hoje mesmo, em 2012 eu postei:

"Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena
Acreditar nos sonhos que se tem
Ou que seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar

Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança..."

E acho que, há 4 anos, eu acreditava ainda. Mas o ruim foi não ter aprendido, que se você quer alguém confiar, confie em si mesmo. Pois é exatamente a pessoa em quem eu nunca confiei.

Agora estou sozinha. Sem perspectiva alguma. Num trabalho que não me deixa feliz e sequer paga minhas contas. Sem ter grana pra nada, aguardando o dia que as coisas só vão ficar piores.
Sem conseguir me amar mais. Sem conseguir gostar da minha própria pesença. Apenas querendo sumir, ou dormir.

Não quero mais me sentir assim. Não quero sentir que ia ser melhor pra todo mundo se eu sumisse. Não quero sentir que não sou importante.

Mas acho que contar com a sorte não dá mais. Nunca deu, na verdade. Eu que sou trouxa de achar que só por qu vem fácil para os outros, viria fácil para mim.

 
 
Anne_chan
03 July 2013 @ 11:35 am
Faz algum tempo que tenho sufocado várias coisas dentro de mim. Tantas coisas que me sinto a ponto de explodir a qualquer momento.
Esse ano, até agora, tem tido seus pontos bons/ótimos, mas também tem tido muita coisa que tem me deixado para baixo.

Eu cansei de ser a chata que só reclama e reclama. Embora, infelizmente, isso é só uma consequência das coisas não estarem bem. Contudo é realmente muito ruim reclamar sempre das mesmas coisas, então eu tenho guardado mais para mim, afinal querendo ou não só eu posso ser responsável pelas mudanças que preciso para ser feliz.

Realmente eu adoraria ser mais sortuda. Adoraria uma oportunidade vindo do nada, uma ajuda inesperada. Mas revendo o histórico da minha vida, sei que isso é pura ilusão. Infelizmente o que geralmente é fácil para as outras pessoas não é tão fácil para mim. Não sou nem nunca fui uma pessoa sortuda ou que consegue as coisas de mão beijada. Bem que eu queria, mas não sou.

Contudo tem hora que bate um desânimo. Que não importa o quanto eu me esforce as coisas nunca vão mudar. E nessas horas eu acabo vivendo só por inércia.  E é nesse estado que eu estou agora.

No meio de coisas que eu não posso mudar. Sem conseguir olhar para frente e ver um futuro diferente, para melhor, do que eu estou. Está me faltando forças para lutar pelo que eu quero.

É ruim não ser boa o bastante em nada. Não ter um destaque próprio por um talento nato. É ruim ter que sempre viver na corda bamba. Sempre se sentir inferior perto de pessoas até mesmo medianas.

Está faltando acreditar mais em mim. Está faltando achar algo que valha a pena correr atrás. Está faltando algo que me faça sair da inércia.

Contudo a incerteza me mata. Não conseguir me planejar me mata. E agora me falta até animo para terminar minha monografia, que eu mal comecei. Estou decepcionada comigo mesma e isso dói demais.

Dói tanto quanto todas as outras dores que não tenho conseguido superar. Todas as pequenas coisas que machucam, que tiram de mim o que eu sou.

Ainda não consegui superar a morte da minha avó. Ainda choro sozinha dentro do ônibus indo para casa em dias de chuva, por que me lembra eu sozinha indo para Floripa para o enterro dela no meio de uma tempestade. Ainda choro sozinha dentro do ônibus por tantas coisas que eu tenho vergonha de chorar na frente dos outros.

Eu queria ser mais forte que do que eu sou. Mas eu também queria poder me dar ao direito de ser fraca. Poder me dar ao direito de depender das pessoas, de ser ajudada por elas.

E espero, do fundo do coração que essa dor passe. E que meu próximo post seja agradecendo e não reclamando.


CTRL + Q to Enable/Disable GoPhoto.it
CTRL + Q to Enable/Disable GoPhoto.it
 
 
Anne_chan
31 December 2012 @ 11:07 am
Mantendo a tradição, estou aqui para mais um post de ano novo.

Antigamente (muito) eu postava muito aqui no LJ. E comecei postando num ano novo, então virou tradição postar minha retrospectiva aqui.
Nos últimos anos tudo o que posto são os posts de ano novo... e esse ano eu não poderia deixar passar em branco, ne? Então vamos lá.

Acho que 2012 podia claramente se dividir em duas partes. O ano até o AF (julho) e depois do AF. Sendo que a primeira metade foi muito boa e a segunda nem tanto. Mas certamente 2012 acabou com um saldo positivo apesar de tudo.

Comecei o ano meio sem rumo, esperando o resultado da pós graduação, morando de aluguel. Minha única certeza era a viagem que estava planejando para Julho.

Então em Abril saiu o resultado que eu fui aprovada para entrar na pós e em maio o meu apt finalmente ficou pronto! Ambas as coisas foram grandes mudanças!

Fazer a pós graduação era uma coisa que eu queria desde que saí da faculdade e que tem feito meus dias mais felizes. Mesmo tendo aula todos os sábados o dia todo e cheia de trabalhos... não podia estar mais feliz!

Outra coisa foi a mudança... mesmo a casa ainda estando uma bagunça e faltando móveis... é indescritivel morar num lugar que é SEU (mesmo estando financiado em 20 anos 8D).

E depois dessas mudanças, a viagem para a AF foi REALMENTE ÉPICA. Não pelo evento em si, que estava ruim 8D Mas por finalmente conhecer pessoalmente pessoas que eu gosto muito e por voltar a São Paulo depois de um tempo sem viajar.

Me diverti muito na cidade e valeu a pena economizar durante meses para essa viagem que realmente ficara na memória.

Contudo, depois de passar meses planejando algo, fica um certo vazio depois, ne? Vazio esse que logo foi preenchido pela previsão de Show do Moi dix Mois.

Eis que o show foi cancelado, problemas no trabalho, falta de tempo, falta de grana, prejuízos pelo cancelamento do show... fizeram realmente o segundo semestre do ano perder muito do brilho.

O segundo semestre passou rápido, foi marcado por fatos tristes... sendo o pior dele realmente o adoecimento da minha avó.
Desde outubro ela vai e volta dos hospitais e tudo culminou num grande AVC que deixou o estado dela ainda pior.

É triste e deixou o fim de ano muito ruim para toda a minha familia. Mas sempre temos que pensar nisso como engrandecimento, ne?

E foi isso... esse ano teve alegrias, tristezas.... e para terminar vou resumir em tópicos o ano:

2012 em fatos
- Voltei a usar Lolita e J-fashion no geral (com frequência)
- Comecei um Blog com a Naki ( http://sansretour.blog.fc2.com/ )
- Comecei a Pós Graduação
- Estudei todo sábado o dia todo
- Me mudei para o APT novo (finalmente)
- Rolê dos campeões em Sampa com direito a muito amor
- Stalkers loucos tentando foder minha vida 8D (sim)
- Tudo é Thorki e nada dói
- Avengers
- Usei bastante cosplay de Mana
- Fiz cosplays novos
- Muitos eventos legais, participando de tudo mesmo tendo pouco tempo livre
- Rolos tensos no trampo (nada comigo, mas sempre respinga na gente)
- Anúncio e cancelamento do Show do Moi dix Mois
- Doença e sofrimento da minha avó :(

Metas para 2013
- Continuar bem a pós graduação e fazer uma monografia FODA
- Começar a me preparar para concorrer a uma vaga num Mestrado
- Emagrecer (sempre)
- Fazer mais visuais, mais cosplays e ir para Sampa mais vezes (e ficar na casa de kazi <3)
- Mudar de emprego para um lugar mais a minha cara

E para 2013 algumas coisas na minha vida não dependem só de mim. Uma das maiores mudanças vai ocorrer se o Danis passar no vestibular e começar a faculdade. Estou torcendo super para ele <3

Enfim é isso. Eu sei que 2013 já pode começar bem triste, pois não sei se minha avó tem muito tempo de vida ainda. Mas espero superar a dor que está por vir e fazer do ano que vem um ÓTIMO ANO.

Feliz Ano novo a todos!
Tags:
 
 
Anne_chan
30 December 2011 @ 02:28 pm
Esse LJ foi criado num ano novo e, mesmo que agora eu só o use para fuçar em comunidades, meio que virou uma tradição deixar para esse espaço os meus pensamentos de fim de ano.

Ano passado foi um ano com um saldo final muito ruim e por isso só me dei duas metas para 2011, emagrecer e arranjar um emprego. O emprego eu consegui... já emagrecer.

Confesso que ficar 2010 quase todo desempregada foi um fardo que me acompanhou em 2011. Mesmo começando, finalmente, a trabalhar em março... as dividas do ano anterior me perseguem quase até agora.
Entretanto, trabalhar está sendo maravilhoso. Tem seus momentos de raiva e tensão, claro. Ganhou menos do que gostaria, mas ao menos faço o que gosto e o que estudei para fazer.
O triste é, mesmo trabalhando, o dinheiro nunca dar para nada. Sempre consegui poupar, é complicado ver o salário não vencer as dívidas. E esse é certamente o pior de 2011. Não conseguir fazer muito do que queria por falta de dinheiro.
Ainda assim, mesmo sem dinheiro, consegui fazer muitas coisas legais esse ano. Foi um ano que eu saí bastante, fosse em eventos com o povo SteamPunk, fosse com a Naki e o Dani.
Fomos a eventos, parques, andamos de roller, tiramos muitas fotos felizes. Com ou sem dinheiro passeamos bastante! E não tem nada que eu goste mais que isso!
Também foi nesse ano que realizei um desejo antigo: Fazer um curso de costura. Ok que eu nem fui uma boa aluna e quase morri de exaustão no meio do curso. Essa parte foi ruim, mas felizmente consegui chegar até o fim graças ao apoio da Naki, minha companhia no curso! E com a ajuda dela consegui fazer um vestido lolita! Nem acredito, ao ver o vestido, que eu mesmo o fiz com minhas próprias mãos (e máquina). É um sentimento intenso de realização.

Com isso sinto que esse ano teve um saldo muito mais positivo que o ano passado. Embora não tenha conseguido ir para Sampa, nem conseguido feito cosplays novos, me diverti muito e realizei um sonho e um objetivo.

Não sei ainda o que esperar de 2012. Tenho mais incógnitas que objetivos. Tudo depende de uma série de variavéis que só serão resolvidas em fevereiro/março.
Sei que quero me mudar logo (coisa que não fiz ainda em 2011) para meu apartamento. Quero estudar mais. Quero emagrecer. Quero ganhar um salário melhor (seja no mesmo emprego ou num melhor). Quero viver mais momentos divertidos com quem amo.
Quero usar meus cosplays de Malice Mizer de novo e ter fotos FODAS com eles e fazer mais cosplays. Quero ir para Sampa. Quero me desenvolver na costura e fazer muitas roupas e mais vestidos lolita.

Talvez 2012 seja um ano quase sem tempo livre. Talvez 2012 seja um ano de muito esforço onde terei que dar duro. E, para falar a verdade, espero mesmo que seja assim. Se for para realizar meus sonhos, não me importo de fazer sacrifícios.

2011 foi muito melhor que 2010. Agora é torcer para 2012 ser ainda melhor! Torcer para finalmente colher um pouco, mas continuar plantando!

Feliz Ano novo a todos! Vamos fazer o ano que vem o melhor de nossas vidas!
 
 
Anne_chan
30 December 2010 @ 07:50 pm



O ano de 2010 está chegando ao fim e, como de praxe, não poderia passar sem uma retrospectiva.

É bom esse momento para fazer um balanço geral, ver o que aconteceu de bom e de ruim para então fazer resoluções.

Esse ano foi um ano de mudanças, mas que, infelizmente, acabou sem que eu conseguisse alcançar minhas poucas metas.

As realizações, em grande parte, foram frutos do esforço do ano anterior. O que é triste, pois eu esperava demais desse ano.

Casei-me em março e fui de mudança para Curitiba. Esperava logo conseguir um emprego, começar a trabalhar, juntar grana e me mudar rápido para o nosso apartamento.

O que aconteceu, na realidade, é que o apartamento não ficou pronto ainda. Passei apenas 3 meses empregada, num trabalho de meio período. Vi todas as minhas economias, feitas com sacrifício no ano anterior, irem embora. O real contrário do que eu esperava.

Somando a isso, perdi meu avô. Foi uma coisa sofrida já que foi o primeiro membro da minha família a morrer, uma perda significativa da qual ainda não consegui recuperar-me totalmente.

Esses foram fatos ruins, que me fizeram sentir tristeza e derrota nesse ano. Um ano que era para ser de vitórias, acabou com saldo negativo.

 

Mas, esses momentos ruins têm que ficar para trás. As realizações não realizadas não podem ser fantasmas para assombrar, e sim objetivos para conquistar. Então vamos falar das coisas boas do ano de 2010 e deixar essas ruins de lado.

 

Mudei-me e estou casada. Faz apenas 9 meses, só que, de repente, me parece que já estou assim a vida toda. O que havia antes disso mesmo?

Confesso que tinha medo. Nunca fui uma namorada grudenta, sempre primei pela minha privacidade. Havia toda uma ansiedade e temor em não me adaptar a vida a dois. Imaginava que ia me sentir sufocada talvez até invadida.

E, para minha felicidade, os temores foram em vão. Mesmo numa casa tão pequena minha individualidade e privacidade foram bem preservadas. A vida a dois se mostra cada vez mais divertida e estou aproveitando-a muito melhor do que podia imaginar. Sinto-me a cada dia mais bobamente apaixonada. É quase como uma longa lua de mel que já dura 9 meses.

Fora isso, a adaptação à Curitiba foi muito boa. É mesmo uma cidade que amo, meu bairro é muito bom e estou me esforçando para aproveitar bastante a cidade. Sinto-me muito mais a vontade aqui do que em Florianópolis. A cidade combina muito mais comigo, é inevitável. Aqui posso ir e vir de um jeito que em Floripa não poderia. Os ônibus funcionam, as opções de diversão são muitas. Por hora, sou só elogios.

 

Também pude aproveitar a proximidade para ficar mais junto do meu amorzinho, minha amiga querida. Foi bom ter os colos e o apoio dela, ainda mais próximos esse ano. Nunca achei amizades à distância ruins, mas é bem melhor amar de perto, viu? Acompanhar coisas simples. Ir num médico junto, fazer mercado. Foram pequenos momentos de felicidade muito bem vindos nas horas tristes.

 

Além de aproximar-me mais de Naki, agora que estamos juntinhas, tive a felicidade e o prazer de conhecer pessoas novas incríveis, além de estreitar laços com pessoas que já eram velhas conhecidas. Tay mesmo, foi uma grande e maravilhosa surpresa, foi bom demais poder contar com ela nesse ano, sempre presente.

Foi bom envolver-me com o grupo da Loja Paraná do Conselho Steampunk. É maravilhoso sentir-se parte de algo, participar de algo tão grandioso e divertido.

 

E o ano foi basicamente isso. Em meio a derrotas e tristezas, alguma luz e felicidade que não me deixaram desanimar. Amigos foram a coisa mais importante e agradeço demais a eles por toda a ajuda que me deram.

Agora o ano acabou e eu quero realmente deixar para trás as coisas tristes e levar as coisas boas comigo. E, por mais que tenha muitas expectativas, só tenho duas resoluções de ano novo:

 

Arranjar um emprego e emagrecer.

 

Tudo que eu podia querer, fazer e planejar depende de um emprego. Sem um emprego não consigo pagar as contas, não consigo juntar dinheiro ou fazer planos.

Além disso, quero mesmo _muito_ perder todos os quilos que a ansiedade me fez ganhar esse ano.  Estou me sentindo infeliz com meu corpo e preciso mudar. Sei que arranjar um emprego também vai ajudar nessa parte. Diminuir a ansiedade e gerar uma rotina vai fazer bem para minha saúde.

 

Então é isso. Que venha 2011. Que ele consiga ser o ano de realizações que 2010 não conseguiu ser.

 

Feliz ano novo!

Tags:
 
 
 
Anne_chan
09 September 2010 @ 07:15 pm
*Escrevi esse conto em 2008 e só agora percebi que nunca o havia postado!*


Memórias carnavalescas


Talvez aquele garoto fosse pequeno demais para entender o que estava acontecendo em sua casa. Mas, mesmo assim, seus olhos curiosos não se despregavam da cena que via.
A cozinha de sua casa transformara-se num salão de beleza enquanto o lavabo ali perto virara um vestiário.
Seus vizinhos, garotos bem mais velhos, sorriam esperando sua vez de trocar de roupas e pintar a cara.
Era carnaval e tudo que o menino sabia é que o tal carnaval era uma grande festa.
Devia ser mesmo, pensava, para que seus vizinhos –aqueles mesmos que jogavam bola de pés descalços- estivessem usando vestidos e maquiagem. Arrumados como só via sua mãe arrumar-se para alguma ocasião muito especial.
Não era a primeira vez que aquilo acontecia em sua casa. Todo o carnaval ela enchia-se de gente, mas sua avó sempre o pegava pela mão e fazia ficar no quarto até todos irem embora.
Aquilo não era coisa para criança ver, ela dizia. Mas esse ano a vovô não estava ali para tapar seus olhos e leva-lo para o quarto. Vovô estava no céu.
Pensava que era bom a vovô ter ido para o céu. Só assim podia ver algo tão grandioso.
Cada um que sentava, já de vestido, na cadeira para que sua mãe o maquiasse saía transformado.
Aqueles pozinhos coloridos que sua mamãe passava no rosto daqueles homens faziam com que se tornassem meninas. Como algum pó mágico daqueles que as fadas madrinhas usam nos contos de fadas.
Foi chegando perto, olhando a maneira que ela aplicava os pozinhos com pinceis. Tão delicadamente, cobrindo aos poucos o rosto de quem estivesse na cadeira.
Eles pareciam tão felizes ao se olharem no espelho. Falavam fino, davam risadas.
Não conseguia não rir com eles, mesmo sem entender o motivo. Não conseguia não dançar com eles ao som da música alta que vinha da rua.
Sua mãe parecia ter dado o trabalho por terminado, olhando sorrindo para aqueles meninos que agora eram meninas. Não era sempre que via a mamãe sorrindo assim, principalmente depois que o papai fora embora. Será que ele também estava no céu?
Ela o pegou no colo, contente, dizendo para se despedir “das meninas”.
Deu um aceno tímido que foi retribuído com acenos e beijos jogados ao ar enquanto sua mãe o levava para o quarto.
Titia iria ficar ali aquela noite por que a mamãe iria sair. Devia comportar-se direitinho e não contar para ela sobre o que vira ali, ou a mamãe iria ganhar bronca.
Achou graça, não sabia que as mães também ganhavam bronca. Prometeu se comportar e ganhou um beijo na ponta do nariz acenando para a mamãe, vendo ela ir embora.
Naquela noite, ajoelhado aos pés da cama, rezando como sua tia o mandara fazer, resolveu fazer um pedido diferente ao papai do céu.
Queria ser um menino grande no próximo ano e também poder participar daquela festa. Uma festa onde os meninos podiam virar meninas. Tendo seu rosto coberto de pó mágico e saindo pelas ruas com um vestido vermelho e bonito.
Amém.
Tags:
 
 
Anne_chan
06 September 2010 @ 01:59 am
Faz tempo que estou cansada. Faz tempo que essa exaustão amolece-me o corpo, corroe minhas forças.

E o que me cansa? O que me deixa assim não afadigada?

O coração. Sim, possivelmente ele. Desejaria não tê-lo. Ou apenas desejaria que ele não fosse tão ligado ao meu cérebro.

Meu cérebro, ah... esse também tem sua parcela de culpa. Por ser tão racional, tão preenchido por valores demodês.

Então eu me canso. Me canso e sofro. Pois cada dia é uma luta perdida. Cada dia é um golpe fundo e impossível de revidar.

Quero jogar a toalha. Admitir minha derrota. Mas como fazer isso? Meu cérebro parece insistir, mesmo que me coração não aguente mais bater.

Será possível tapar os olhos? Enganar o cérebro, para que assim o coração descanse. Mais fácil mesmo seria a cegueira...

... ou melhor uma amnésia.
 
 
Anne_chan
10 July 2010 @ 12:45 pm
Acabo de voltar de um enterro. O segundo da minha vida e o primeiro na minha familia. Meu avô morreu depois de uma semana no hospital.

A dor é grande e as lágrimas não cessam. Olhei para ele no caixão muito rápido, pois não era uma visão que queria guardar.

E foi estranho, entrar pelo corredor principal de uma igreja seguindo um caixão. Eu que há poucos meses entrei pelo corredor principal de outra igreja, para celebrar a vida e o amor me casando.

Mas morrer faz parte da vida. Encerra o ciclo, a caminhada. E fica a dor e a saudade de quem está vivo e terá que seguir a caminhada com aquela saudade no peito.

Sempre vou lembrar-me do meu avô me coçando, olhando e dizendo "ah pensei que o braço era meu!" e rindo em seguida. Vou lembrar-me dele zoando meu cabelo, dizendo que eu parecia um pica-pau. Dele levando eu e meus primos para a praia, pra pescar siri ou catar conchinhas. Levando-nos pra cachoeiras, passeios no mato que nós adorávamos.

Também vou lembrar que ele nos fazia acordar cedo nas férias, que por causa dele a gente tinha que fazer silêncio depois do almoço para não atrapalhar o cochilo dele.

E agora é isso. É conviver com esse peso no coração e ir levando. Guardar as lembranças boas e os bons momentos.

Aposto que ele tá pescando em alguma nuvem por ai. Fica com Deus vô.
 
 
Anne_chan
24 March 2010 @ 03:32 pm
Tanta coisa aconteceu em tão pouco tempo que nem sei como colocar tudo no "papel".

O dia tão esperado chegou e foi tudo de mais especial. Foi ótimo estar no hotel antes da cerimônia, podendo curtir minhas madrinhas e a familia Lira como companhia. Tivemos uma incrível despedida de solteiro, recheada com doces e batatinhas, Uno e Imagem&Ação. Além de divertido, deu para relaxar bastante antes da cerimônia.

Começamos a nos arrumar cedo, todo mundo junto e, realmente, parecia que iríamos para um dia de evento, vestindo nossos cosplays. Aquele mesmo clima de hotel e arrumação pré AF. Maquiagem, roupas pomposas. Um clima familiar que me ajudou também a controlar o nervosismo.

Cheguei 5 minutos adiantada na igreja, mas quando olho... cadê o buquê? Ah Anne, sua esperta, esqueceu ele no hotel! E agora corre pra pegar, ne? Não adianta, noiva tem que se atrasar, quer ela queira ou não.

A entrada... foi tão rápida e tão emocionante. Simplesmente comecei a chorar e não consegui mais parar. Foi assim o casamento inteiro, em meio a lágrimas e sorrisos. Olhava para trás vez ou outra, queria ver meus amigos, meus pais, meus parentes. Queria sorri para todos... E no fim foi tão rápido.

Tanto tempo, tenta preparação e tudo passou em minutos. A cerimônia foi linda, cheia de simbolismos e significados. Vou guardar na lembrança pra sempre. Foi uma emoção muito grande, estar ali, no altar e receber as bençãos de todos sobre o nosso amor.

Depois do casamento veio a festa. Comi nada, mesmo tendo tanta comida, mas me diverti horrores. Dancei, brinquei, tirei fotos. Fiquei realmente perto dos amigos e me curti de verdade ao lado deles.
Tirei sapato, dancei de pé no chão. Deixei meu vestido e meu pé pretinhos, mas valeu a pena. E foi assim até o final da festa.

Ficamos mais um pouco com as meninas no domingo, mas logo elas tiveram que ir embora... e na segunda feira, foi minha vez de ir.
A despedida não foi fácil. Nunca, é, não é mesmo? Papai chorou, eu chorei. A gente se ama, não é? Eu sei que ele e mamãe estão sentindo a minha falta, como eu estou sentindo a deles. Mas aos poucos a gente se acostuma com a distância.

Logo que cheguei em Curitiba, parti pra Lua de Mel em Foz do Iguaçu. É um destino muito bom para se viajar. Une compras com preços ótimos (Paraguai, Argentina~) com belezas naturais incríveis. As Cataratas são indescritíveis, nem parece coisa desse mundo. Só se ouvir as pessoas falarem "isso é o paraíso". E... parecia mesmo o paraíso.
Além das Cataratas visitamos o Parque das Aves. Um tipo de zoo, mas voltado para... aves 8D Muito legal e dava pra ficar nos viveiros *___* Rendeu fotos lindas~


Depois de muita compra e passeios ecológicos, voltamos a Curitiba, nosso novo lar. E, como nem tudo são flores, tive uma intoxicação alimentar. E em meio a dor, a bagunça da casa nova e de tudo, ainda acabei indo parar no hospital com uma crise nervosa.
Foram momentos meio complexos, mas já está tudo entrando nos eixos novamente.

Estou me adaptando a nova rotina, a nova casa, ao maridão. É tudo muito novo ainda, dá um frio na barriga, uma ansiedade. Espero controlar logo o nervosismo e o medo do novo. Espero logo conseguir meu emprego e engata uma rotina. Afinal, por mais que eu goste de novidade, eu piro sem uma rotina 8D

E é isso, o texto ficou enorme, mas tinha que ser assim ne. Fica aqui registrada mais uma etapa da minha vida. Quem sabe daqui a alguns anos eu não leia esse texto rindo dos meus medos passados e com olhos saudosos desses dias tão bons.
 
 
Current Mood: anxiousanxious
 
 
Anne_chan
06 March 2010 @ 12:54 pm
Então... falta exatamente uma semana para meu casamento. Meu último sábado como uma mulher solteira.

Penso que eu devia estar mais nervosa, mas até que estou calma. Imagino que vá ficar hyper semana que vem, contudo, agora estou suave.

Não creio que o estado cívil vá mudar tanto minha vida. Afinal, quem namorada a 10 anos já é praticamente casada, não? Mesmo nunca tendo morado junto nem nada, não faz muita diferença se se está casado ou não nesses termos.

A mudança está sim em sair de casa, mudar de estado, realmente viver uma nova vida. Imagino que sentirei falta da minha atual rotina, dos meus pais, avós, cachorros. Sentirei falta do meu quarto, de passar horas sozinha nele.

Na realidade, o que mais me assusta é isso. Passarei bem menos tempo sozinha agora. Eu que sou filha única aprendi a apreciar meus momentos só. De ficar no meu canto, fazendo minhas coisas.

Não sei como vai ser essa adaptação no começo, especialmente morando numa kitnet tão pequena. Obviamente, gosto muito da presença do senhor noivo. Só que nunca fui do tipo grudada com namorado, tenho medo de querer mandar ele embora de casa depois de uma semana 8DDDD.

Sei que vamos nos adaptar e aprender a respeitar o espaço de cada um. Sei que vou ter que ceder um pouco, assim como ele, para o bom convívio. Pelo menos sei que o maridão é do tipo complacente, e que vai saber ver o meu lado. Só espero conseguir ser menos cabeça dura, para também saber ver o lado dele.

Tudo isso vai vir com o tempo. A convivência, a adequação. E no fim, por mais que me preocupe, não estou exatamente estressada com isso. O que me tira o sono mesmo é outra coisa...

Estou preocupada com meu futuro emprego. Sei que juntei grana, como a boa menina responsável que sou, para segurar as pontas por uns meses. Mas isso é, segurar as pontas... não quero viver com o dinheiro contado. Quero um emprego logo para poder deixar essas economias guardadas para algo maior.

Mas me pergunto, será que vou conseguir um emprego logo? Será que vou conseguir realizar meu sonho de trabalhar na àrea? Quero tanto trabalhar com Design, que tenho medo de me decepcionar caso eu consiga. Isso é, se eu conseguir.

A faculdade certamente não me preparou para o mercado de trabalho. Muita teoria e pouca prática, muito conhecimento espalhado e pouco foco especifico. E agora vejo que meu portfólio é fraco. Bem... o jeito é correr atrás do tempo perdido.

Dou fim as minhas divagações. 2010 certamente será um ano que entrará para minha história. E espero ter muitos bons momentos de realizações neste ano. Que o casamento e a mudança sejam o start que eu preciso para finalmente mudar para melhor o rumo da minha vida.

Será que ainda posto aqui como solteira?
 
 
Current Mood: artistic